Prevenção e Controle de Enfermidades / Enfermidades Transmissíveis / Dengue

Programa Regional de Dengue, OPAS

Missão |  Contato |  Áreas de trabalho:

criadero

- EGI (integração)
- COMBI (comportamento)
- Dengue-Net
- Eco-Clubes

Apresentação EGI (PowerPoint, 3625 KB)

llantas como criaderos

Página Dengue OPAS: español | English
Página Dengue OMS:
español   |   English | français
Sítios associados: Dengue-Net | Eco-Clubes
Contato: Dr. José Luis San Martín, Asessor Regional para Dengue (OPAS/AD/DPC/CD/DEN), OPS-Panamá.
Fone (+507) 262-0030 (x223),
fax (+1-202) 974-3656.

estratégia de gestão integrada para dengue

Missão

  • Reduzir a morbi-mortalidade e a carga social e econômica causada por surtos e epidemias de dengue, baseados nas Resoluções do Conselho Diretivo da OPAS CD43.R4 (2001) e CD44.R9 (2003).
  • Enfocar as políticas de saúde pública em direção à integração multisetorial e interdisciplinar, permitindo desenvolver, pôr em prática e consolidar a Estratégia de Gestão Integrada para a Prevenção e o Controle de Dengue (EGI).

Áreas de trabalho: O Programa Regional de Dengue, de acordo com a presente política da descentralização e realocação de programas da Sede em WDC ao interior dos países, foi transferido em setembro de 2003 à Representação da OPAS em Panamá, de onde se coordena todo o trabalho regional:

  1. A Estratégia de Gestão Integrada para a Prevenção e o Controle de Dengue (EGI)
    Como parte do esforço da OPAS em ajudar a fazer frente a esse desafio, e baseado em um novo modelo do trabalho integrado que inclui promoção da saúde e a busca de novas parcerias, desenvolveu-se a Estratégia de Gestão Integrada para a Prevenção e o Controle de Dengue (EGI), com a meta de criar associações mais fortes para reduzir os fatores de risco de transmissão de dengue, executando um sistema integrado de vigilância, e a redução das populações de Aedes aegypti (controle de vetores). Outra meta é manter os laboratórios no mais alto nível de treinamento de ordem a detectar e identificar o vírus, fortalecer a administração dos surtos e das epidemias, e incluir a comunidade como um participante forte nas ações de prevenção e controle de dengue. Essas mudanças devem, em conseqüência, reduzir as taxas de incidência e a letalidade da doença.
    • Atividades de cooperação técnica para ajudar os países na execução e na implementação dos 'dez mandamentos' (o decálogo) da estratégia integrada, resultado da Resolução CD43.R4, e na execução da Resolução CD44.R9.
    • A criação do Grupo Técnico de Dengue (GT-Dengue), nova metodologia de cooperação técnica formada por um grupo de especialistas que vêm ajudando os países membros a fortalecer seus programas nacionais, além de apoiar a consolidação de uma estratégia nacional da gestão integrada.
    • Avaliações periódicas dos Programas Nacionais de Dengue (tanto interno como externo), com a participação do GT-Dengue (Grupo Técnico de Dengue). Reuniões, cursos e workshops para profissionais técnico/gerencial com o objetivo de capacita-los a pôr em prática e levar a cabo a estratégia integrada, em conformidade com as Resoluções CD43.R4 e CD44.R9.
    • A produção, seleção e difusão de materiais de comunicação social e informação técnica e científica para fortalecer a estratégia integrada, em conformidade com as Resoluções CD43.R4 e CD44.R9.
    Resultados e prospecções: Até o momento, a Sub-região da América Central já preparou o documento sub-regional de estratégia integrada. Baseado na EGI América Central, dois países (Nicarágua e Venezuela) já prepararam suas EGI nacionais. Guatemala, Honduras, El Salvador, Costa Rica, República Dominicana e Colômbia estão preparando atualmente suas estratégias nacionais.
  2. Comunicação para Impactar Conduta em Dengue (COMBI) A nova geração de programas para a prevenção e o controle de dengue tem como premissa o fortalecimento da prevenção e o controle de dengue por intermédio da participação comunitária e da educação em saúde. Apesar dos muitos esforços realizados pelos países, não se conseguiu o impacto desejado no controle da doença. Considerando essa situação, OPAS/OMS—como parte da Estratégia Integrada para Prevenção e Controle de Dengue—está incorporando a metodologia COMBI (Comunicação para Impactar Conduta), orientada ao dengue.
    COMBI é um processo que alinha de uma maneira equilibrada uma variedade de intervenções de comunicações, a motivar, estimular e incentivar a população a considerar, eventualmente adotar, e manter ações para a prevenção e o controle de dengue. COMBI incorpora mais de 50 anos de experiências em educação em saúde, em comunicação e em teorias de mudança de comportamento, numa estratégia centrada nos comportamentos específicos dos indivíduos e das famílias. COMBI também incorpora as experiências do setor privado: por exemplo, a comunicação com consumidores.
    A metodologia integra eficazmente educação de saúde, informação-educação-comunicação (IEC), mobilização social, comunicação técnica com consumidores (marketing), e a pesquisa formativa ou análise da situação. Tudo isto dirigido pontualmente a um objetivo comportamental preciso e específico para a saúde, um enfoque adequado para prevenir, controlar e eliminar doenças transmissíveis, neste caso aplicado ao dengue. A metodologia de COMBI reconhece que a meta final é conseguir mudança de comportamento: Alguém deve estar fazendo algo!
    Atividades desenvolvidas
    • Talheres COMBI para treinamento de equipes multidisciplinares em como preparar Planos de COMBI.
    • Formação para a elaboração dos Planes de COMBI.
    • Cooperação técnica para ajudar na execução dos planos, monitoramento e avaliação.
    • Preparação, publicação e distribuição da Guia COMBI.
    Resultados e prospecções: Em 2003, o primeiro seminário de treinamento realizou-se na Nicarágua, com equipes multidisciplinares de quatro países (Costa Rica, Guatemala, Nicarágua, e República Dominicana). O treinamento na metodologia de COMBI também se deu a outros países na Região, como em seminários em Honduras (com participantes de Belize, El Salvador, Honduras e Panamá), em Colômbia (com participantes da Bolívia, Colômbia, Equador e Venezuela), no Brasil (com participantes de quatro municípios dos estados de Ceará, Maranhão, Minas Gerais e Rio Grande do Sul) e em Trinidad e Tobago (com participantes das Bahamas, Barbados, Santa Lúcia, e Trinidad e Tobago). Os resultados desses seminários são: 20 Planos COMBI elaborados, um plano em processo de implementação (Nicarágua), um plano em fase de pesquisa formativa (Guatemala), um plano em fase de ajustes antes de começar a investigação formativa (Costa Rica), e quatro planos em processo de ajustes e aprovação pelas autoridades brasileiras. Um Plano para a Região Andina e um para o Caribe de fala inglesa estão em fase de aprovação. Um seminário COMBI está sendo articulado para o MERCOSUL.
  3. A Rede Mundial de Dengue (Dengue-Net)
    Dengue-Net é uma rede e um sistema de vigilância da OMS para a vigilância padronizada epidemiológica e de laboratório que responde à necessidade atual de unificar e aumentar a disponibilidade oportuna dos dados básicos sobre o dengue para o controle regional da doença. Essa estratégia regional promove a participação de todos os países nessa rede global de vigilância.
    Atividades desenvolvidas
    • Seminários para ampliar a execução da Dengue-Net (Rede Mundial de Vigilância de Dengue) na Região das Américas.
    • Advocacy para Dengue-Net como um sistema padronizado de vigilância de dengue nos países.
    Resultados e prospecções: Foram realizados dois seminários nas Américas, em Porto Rico (2002) e em Cuba (2004), com a participação de países das sub-regiões (Caribe, América Central, Amazônia, Andina, Cone Sul). Espera-se que o número de países que participam da Dengue-Net seja ampliado e que possa ser introduzido aos usuários a nova plataforma de Dengue-Net atualizada pelo Atlas Global.
  4. A participação da Rede Internacional de Eco-Clubes
    Por intermédio da Rede Internacional de Eco-Clubes, se quer construir um espaço social para o intercâmbio de experiências, que converta os jovens em motores do presente, para que seja possível alcançar mudanças de atitudes na população em relação ao meio que a rodeia, mediante o empoderamento da comunidade para levar adiante propostas de melhoraria da qualidade de vida para todos. Por intermédio da aliança Rede Internacional de Eco-Clubes e OPAS, foram realizadas as seguintes ações:
    • Sucessivos convênios que permitiram desde 2001 um trabalho sistemático de combate ao dengue, com dois Encontros Internacionais e distribuição de vídeos, cartilhas, livros e jogos de dengue.
    • Participação de monitores de dengue dos Eco-Clubes no curso virtual, promovido pela OPAS com apoio do IHNEM de Cuba, Moradia e vetores: a casa livre de dengue.